Prefeitura retoma obras paradas há 4 anos para controle de enchentes na Cidade Morena

Paradas há quatro anos, as obras de drenagem e controle de enchentes no Bairro Cidade Morena foram retomadas nesta semana. O projeto prevê a implantação de 1.275,95 metros de tubos para captar a enxurrada que alaga casas localizadas onde não há asfalto em ruas como a Jaguariúna, Israelândia e Buenópolis, e fica empoçada na parte asfaltada  do bairro, onde as  bocas lobo estão desativadas. O problema é que falta tubulação para escoar as águas pluviais até o Córrego Gameleiras, já nos fundos do Residencial Novo Século.

++Secretário confirma retomada de obras contra enchentes na região das Moreninhas

Secretário recebendo a solicitação da retomada das obras encaminhada pelos moradores

Foto: Diogo Gonçalves

Foto: Diogo Gonçalves

Serão investidos  R$ 2,5 milhões  (saldo de um financiamento do PAC Lagoa), recursos  disponíveis desde 2012. O serviço está sendo executado às margens da Gury Marques, na altura da tubulação já existente (tubo armco de 2,4 metros diâmetro), que atravessa a avenida e termina numa dissipadora onde a enxurrada deságua no Córrego Gameleira.

Na área escavada serão colocadas pedras para estabilização do solo, feito o aterro para a colocação  de 223,16 metros de galerias celulares (com 2,5 metros de diâmetro) e uma estrutura de concreto que pesa 25 toneladas cada uma.

Na Cidade Morena, a tubulação será instalada nas ruas  Salmorão; Israelândia; Ubirajara Guarani e Jaguariúna. Esta drenagem receberá as águas pluviais da parte asfaltada do bairro e acabará com  problemas de alagamentos que são rotineiros nesta região não pavimentada.  Já as galerias projetadas para a  Buenópolis vão captar as águas pluviais que descem pela rua Minas Novas.

“Tomara que desta vez a obra  termine, já que foi lançada pelo menos três vezes”, lembra o funcionário público Rivaldo Oliveira, morador desde 1979 na rua Ubirajara Guarani.  “Quando chove isto aqui vira um rio e a água invade as casas construídas abaixo do nível da rua”, relata o morador.

Foto: Diogo Gonçalves

Foto: Diogo Gonçalves

A cada chuva forte,  Suzana de Souza, dona de um pequeno comércio na esquina com a Rua Israelândia, passa por uma situação difícil novamente. “Já perdi móveis, geladeira, fogões, por causa dos alagamentos. Construí até uma mureta para a enxurrada não entrar, mesmo assim, na semana passada, tive de chamar os bombeiros”, comenta.

Já está prevista também  a licitação  das obras de controle da erosão no Córrego Gameleira, onde toda a enxurrada captada por esta drenagem vai desaguar. A voçoroca avança e pode ameaçar um clube existente nas proximidades e o Bairro Novo Século.