Governo quer diálogo mas diz que reajuste depende de balanço financeiro

O governo estadual já afundou o discurso sobre o reajuste salarial dos servidores, alegando que tudo depende do balanço financeiro dos quatro primeiros meses, que ficará pronto no final de maio, quando vai se avaliar também o limite de gastos com pessoal.

A condição foi apresentada pelo secretário estadual de Governo, Eduardo Riedel, já na reunião que definiu a prorrogação do abono por dois meses e depois repetida por ele nas agendas públicas.

A situação também foi justificada pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que disse estar com conversa aberta com os servidores, mas que tudo depende de desta situação financeira, de acordo com a arrecadação, gastos com pessoal, para não ultrapassar o limite imposto pela LRF.

A discussão do reajuste vai ganhar espaço neste mês de maio, quando se discute a data base. A intenção é que se chegue álbum entendimento até o final do mês, evitando assim qualquer impasse ou greve dos funcionários. Os representantes já adiantaram que vão solicitar a reposição da inflação, além de depois discutir de forma individual melhorias para as categorias.

Ad

Você também pode gostar...